Pular para o conteúdo principal

Sustentabilidade e Compostagem

Existem tipos diferentes de resíduos, cada um com necessidades e possibilidades distintas de tratamento, portanto ‘lixo’ é uma forma inadequada e antiga de se referir aos resíduos que produzimos, pois grande parte deles (secos e úmidos) podem ser reaproveitados.
Os resíduos secos como papel, plástico, metal e vidro, geralmente são reciclados ou reaproveitados através de processos específicos para obter uma “nova“ matéria prima ou são utilizados para a produção de artesanato, por exemplo. Já os resíduos úmidos, são os resíduos orgânicos produzidos em casa, feiras, e outros, que podem ser reciclados por meio da compostagem doméstica/caseira.
Na cidade de São Paulo, os resíduos orgânicos representam 51% dos resíduos domésticos, seguidos pelos resíduos recicláveis secos (32%) e, por fim, dos rejeitos (17%). Dessa forma, é possível observar a grande importância que a compostagem doméstica/caseira possui. A partir dela, pode-se ajudar de maneira sustentável a diminuição da quantidade de resíduos enviados aos lixões e aterros sanitários, evitando gradualmente os danos causados ao meio ambiente.

O que é compostagem e quais os modelos mais utilizados?
A compostagem é um processo biológico em que microrganismos degradam a matéria orgânica gerando um composto, adubo natural de aspecto semelhante ao solo. Os dois modelos caseiros mais utilizados são a compostagem em recipientes e a vermicompostagem.
A presença de oxigênio é fundamental para que não ocorra a formação de odores fortes causados pela fermentação e putrefação dos resíduos, saber o que colocar e/ou não e a quantidade também contribui para obter melhores resultados da compostagem.

O que colocar, evitar e não colocar na composteira doméstica:


* Não podem estar temperados com sal, pimenta, vinagre e etc.
Evitar: Guardanapos e Papel Toalha.
Não colocar: Fezes de animais domésticos, Papel higiênico.


O que é produzido e como utilizar?
O composto sólido pode ser utilizado tanto para adubar diretamente as plantas como para revitalizar vasos e melhorar terras enfraquecidas a serem usadas em novos plantios.  
Com o composto líquido as plantas absorvem os nutrientes com muita facilidade, mas ele deve ser diluído na proporção de 1 parte de composto líquido para 10 partes de água, e a adubação não pode ser diária. É recomendado um intervalo de pelo menos uma semana entre as aplicações.
  
Quer saber mais sobre o assunto e aprender como fazer a sua própria composteira? Acesse os links abaixo:
Como fazer uma compostagem caseira/doméstica
Curiosidades Lixos e Compostagem
Importância da matéria seca na compostagem

Referências Bibliográficas:
Manual de Compostagem Doméstica com Minhocas
Manual para gestão de resíduos orgânicos nas escolas

Manual Básico de Compostagem - USP Recicla

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Controle Biológico de Pragas: PULGÕES

Em uma horta, manter a harmonia  natural do sistema é a melhor forma de fazer o controle biológico de pragas. Existem espécies de plantas que ajudam a manter esse equilíbrio e controle natural.
Uma das pragas mais comuns nas hortas são os pulgões, pequenos insetos (cerca de 3 mm de comprimento) que se alimentam sugando a seiva das plantas e são capazes de se multiplicar com  rapidez.
Espécies como cravo de defunto, arruda, manjericão, lavanda, hortelã, entre outras com aromas fortes, ajudam a espantar os pulgões, que as detestam. Já a capuchinha atrai os pulgões para si, servindo como uma espécie de armadilha na sua horta. Essas plantas são ótimas companheiras na sua horta, contribuindo na manutenção do equilíbrio e no controle natural de infestações. Outra ótima companheira para sua horta é a joaninha, Ao contrário dos pulgões e outros insetos que se alimentam das plantas e podem ser prejudiciais para sua horta, a joaninha é uma ótima companheira para suas plantinhas. Joaninhas são…

Histórias da Horta

A Horta FSP não tem como objetivo central que os alimentos cultivados sejam base para a alimentação das pessoas, mas sim uma estratégia de reflexão sobre o preparo adequado do alimento, sua origem e o modelo de desenvolvimento econômico e agrícola que temos.  Estimular o convívio entre as pessoas e com a natureza no ambiente urbano sob uma visão de sustentabilidade e saúde, por outro lado, é uma melhor forma de definir o objetivo da Horta.  As relações pessoais e sociais que envolvem a produção de alimentos, portanto, têm relevância equiparada ao próprio alimento produzido para a Horta e ditam a parte "comunitária".  As participações de duas funcionárias, descritas a seguir, são sinal de êxito na proposta do projeto.
Apresentamos, abaixo, a Roberta, nutricionista doutoranda em Saúde Pública. Na próxima foto, é o prato de filé mignon com folhas de ora-pro-nóbis (da Horta!) preparado por ela. Tomate 🍅, cebola e páprica deram aquele saborzinho a mais. 

Já esta abaixo é a senhor…

Planta da semana: Açafrão-da-terra