quinta-feira, 18 de maio de 2017

Dia de combate à Hipertensão



As Doenças Cardiovasculares (DCV) são a maior causa de mortes no mundo, atualmente. Dentre elas, está a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), considerada um problema de saúde pública. A HAS constitui uma importante  condição de risco para complicações cardíacas e cerebrovasculares. Há diversos fatores que podem interferir na culminação da doença: fatores hereditários (casos de doentes na família), envelhecimento, excesso de peso, alimentação com baixo consumo de frutas, legumes e verduras, consumo excessivo de alimentos com elevado teor de sal, consumo excessivo de bebidas alcoólicas, tabagismo, estresse. 

Um indivíduo diagnosticado com hipertensão, tem a sua pressão arterial maior ou igual a 140/90. A doença não possui sintomas específicos, por isso, muitas vezes passam despercebidos por serem "comuns", como por exemplo, as dores de cabeça, a tontura e o cansaço. Dessa forma, é necessário que se faça um acompanhamento rotineiro da pressão, verificando se há (ou não) a ocorrência de grandes alterações, tanto para uma prevenção, quanto para um acompanhamento e tratamento da doença, envolvendo medidas farmacológicas e não farmacológicas.

Algumas medidas de prevenção que não utilizam medicamentos são: manter uma alimentação balanceada, contendo frutas, legumes e verduras. Evitar excessos de tabagismo e consumo de bebidas alcoólicas; manter a hidratação do corpo, ingerindo água regularmente; praticar exercícios físicos regularmente (não só pelo efeito benéfico sobre a pressão arterial, mas também pela redução de outros fatores de risco cardiovasculares); diminuir o consumo excessivo de sal.

Misture ervas e temperos e deixe o sal de lado

Uso de ervas no luga do sal 

O uso de sal de ervas é bastante indicado para os hipertensos, pois são capazes de substituir o consumo de temperos industrializados que comumente possuem elevado teor de sódio. Além disso, o cultivo de temperos não requer um grande espaço, e por serem frescos, darão mais sabor à comida. Abaixo seguem alguns temperos e sugestões de utilização:
  • Alecrim: Carne vermelha, carne de frango, carne suína, e em legumes assados;Louro: Pode ser utilizado em grande variedade de preparações: caldos, legumes, assados, refogados de carnes, molhos de tomate...Pode ser cozido por longos período de tempo sem perder suas propriedades, ao contrário de boa parte das outras ervas;
  • Coentro: Peixes, frutos do mar e saladas;
  • Hortelã e menta: A hortelã pode ser utilizada em carne de cordeiro e para enfeitar sobremesas e bebidas de verão;
  • Manjerona e Orégano: Carnes, molhos de tomate e queijos;
  • Tomilho: Carnes em geral;
  • Sálvia: Carne suína e massas;
  • Manjericão: Molhos de tomate e legumes como abobrinha, berinjela, abóbora e batata;Cebolinha: O talo pode ser utilizado para a decoração dos pratos, trazendo frescor para omeletes, batata e arroz;Pimenta do Reino: A pimenta do reino verde é ótima para molhos de filés, a branca para carne de aves, e a pimenta do reino preta é a mais diversa, podendo ser utilizada em grande parte de pratos salgados, principalmente carnes vermelhas;
  • Noz-Moscada: Molho branco e em molhos de queijo;
  • Cominho: Combina com o feijão, sopas e carnes.



Saiba mais: 


quarta-feira, 3 de maio de 2017

Agroecologia e o manejo do solo

Na atualidade há três formas principais de se manejar o solo agrícola: o manejo químico (ou convencional), o orgânico por substituição de insumos e o agroecológico. No manejo agroecológico, deve-se trabalhar ecologicamente, ou seja, manejar os recursos naturais de forma a respeitar o sistema natural de cada local, envolvendo o solo, o clima, os seres vivos, bem como as inter-relações existentes entre eles. Dessa forma, os manejos agrícolas são realizados segundo as características locais do ambiente, necessitando, portanto, de conhecimentos adquiridos através das vicências e observações de cada agricultor. O manejo agroecológico dos solos se baseia em cinco pontos fundamentais: 

- Solos vivos e bem estruturados:
Um solo vivo pressupõe a presença de variadas formas de organismos interagindo entre si, e interagindo com os componentes minerais e orgânicos do solo. Essa dinâmica biológica exerce uma função essencial na agregação do solo, de modo a torna-lo grumoso e permeável para o ar e para a água. 

- Biodiversidade:
 A manutenção de grande diversidade de plantas em uma mesma área é uma estratégia da natureza para construir maiores níveis de estabilidade na produção biológica, um exemplo de mecanismo natural se dá a partir da secreção de substâncias tóxicas por determinadas espécies, evitando o nascimento de sua própria semente em alguns metros de distância. Além disso, há a necessidade de fornecimento de matéria orgânica diversificada, fomentando o desenvolvimento de variadas formas de vida, aumentando o leque de nutrientes mobilizados. 

- Proteção do solo contra o aquecimento excessivo, o impacto da chuva e o vento permanente:
Para a proteção do solo contra o aquecimento e o impacto da chuva, os solos devem ser cobertos, ou por palha ou por uma vegetação densa. Com a manutenção dessa cobertura, a água se infiltra com mais facilidade no solo, e além disso, favorece que não haja a evaporação da água, e a mesma pode se conservar ao alcance das raízes mesmo após longos períodos sem chuva.

-Bom desenvolvimento da raiz: 
Promove a manutenção do solo bem estruturado e permite que o sistema radicular das plantas cultivadas tenha um bom desenvolvimento e explore grande volume de solo. 

-Autoconfiança do agricultor:
Instituiu-se nos agricultores a crença de que é necessário assistência técnica para manejar o solo, e como não são capacitados para realizar análises e interpretar por si só os resultados, foram condicionados a receber orientações. Já na agroecologia, em vez de receber receitas técnicas prontas, o agricultor passa a observar, pensar e experimentar, e a partir disso, ganha autoconfiança. 


O dia do solo é comemorado no dia 03 de maio

terça-feira, 2 de maio de 2017

2ª Feira Nacional da Reforma Agrária

A partir dessa quinta-feira, 04/05 até o dia 07/05, acontecerá uma feira realizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, a 2ª Feira Nacional da Reforma Agrária, localizada no Parque da Água Branca. Onde agricultores de acampamentos e assentamentos de todo o país estarão presentes para vender os alimentos produzidos por eles. 

Além da feira, quem for encontrará uma vasta programação com shows, intervenções culturais, seminários, e uma Praça de Alimentação com comidas típicas de cada região. 
Não deixem de conferir, maiores informações sobre a programação, o evento, o local e os assuntos abordados estão disponíveis aqui: 2ª Feira Nacional da Reforma Agrária 2017!!