sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Mutirão de Novembro de 2017

                 No último dia 14, realizamos um mutirão na Horta FSP. Plantamos cerca de dez mudinhas, como tansagem, guasca, calêndula, paraopeba, major gomes, arnica do mato e outras; retiramos as plantas que cresciam em excesso e impediam o crescimento de outras (boldo e manjericão anis) e “limpamos” os canteiros do mato que não era comestível e nomeável.
                Alunos da graduação e pós-graduação, professores, funcionários e frequentadores da FSP colaboraram no mutirão, com a mão-de-obra, mudinhas e opiniões. Todos levaram alguma plantinha para preparar em casa depois, também.
                Os mutirões da Horta seguem o projeto de, desde 2013, ser uma estratégia para discutir a sustentabilidade ambiental e a alimentação numa perspectiva de saúde pública e desenvolver atividades educativas e participativas- logo, qualquer um que passa por lá, saiba a equipe Horta ou não, e participa colhendo ou plantando (ou apreciando) está agindo de acordo como objetivo de existência da Horta.
                Agradecemos a todos os participantes do mutirão de novembro e também aqueles que visitaram a Horta em outros momentos.


 

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Convite para mutirão na Horta em 14 novembro

        A Horta FSP convida a todos para um período de cuidado, plantio ou colheita na horta comunitária da faculdade. O evento é livre e aberto a todos os interessados em hortas urbanas, sustentabilidade e conexão com a natureza.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Depoimentos dos participantes das atividades da Horta FSP



   Com o intuito de montar um e-book mostrando o desenvolvimento do Projeto Horta da FSP, estamos recolhendo depoimentos dos alunos e funcionários que já participaram de atividades na horta da faculdade. Por meio dos depoimentos gostaríamos de ter um feedback, bem como sugestões e críticas da sua experiência participando das atividades que aconteceram ao longo desses 5 anos de projeto. 

O questionário pode ser encontrado neste link e ficará disponível até o dia 06 de agosto, esperamos a sua participação!!!


segunda-feira, 12 de junho de 2017

Ideias de Cultivo em Casa (2) - Cuidados Básicos com a Mini-Horta


        Agora que você aprendeu a maneira correta de construir uma mini-horta caseira de temperos, é fundamental saber os cuidados básicos que se tem que tomar para manter sua horta vistosa e saudável.
  • (1) As regas podem ser realizadas pela manhã ou no período da tarde, pois são os horários em que normalmente o clima não está muito quente. A intensidade da rega deve ser de acordo com as condições do solo no momento, isto é, se o substrato está muito úmido (sinta a umidade do substrato com os dedos), não é necessário regar com grande quantidade de água, e vice versa; é importante que o solo nunca fique encharcado. Obs: É importante atentar-se que a água utilizada para a rega poderá escoar, dessa forma, regue os vasos perto de uma pia ou ralo.

  • (2) O sol é vital para o crescimento das plantas, é importante deixa-las em locais que fiquem expostos a luz solar por um período mínimo de 4 horas. Porém, atentar-se aos dias muito quentes e secos, em que este tempo de exposição poderá ser menor.

  • (3) De mês em mês crie o hábito de revolver o solo com um ancinho (rastelo de jardim, ou até mesmo um garfo) tomando sempre cuidado com a raiz. Após revolver o solo, adube as plantas como húmus ( cerca de duas colher de sopa cheias por planta é o suficiente). Retire pequenos matinhos que crescem ao redor das plantas e as folhas secas. Regue. 

  • (4) As podas geralmente ocorrem com a finalidade de consumo. Recomenda-se para ervas que possuem folhas como o manjericão e orégano destacar com as mãos, sem destacar o caule. Já as ervas como alecrim, tomilho e salsa podem ser retiradas diretamente dos galhos em um movimento  da parte mais próxima a raiz em direção ao ápice do galho. 

  • (5) Caso ocorra ataque de pragas, dependendo da dimensão é possível realizar a eliminação manualmente. Caso a infestação persista, invista em um inseticida natural para o controle. Entretanto, deve-se prestar atenção em qual tipo de praga está atingindo as plantas. As pragas que mais comumente tendem a aparecer em temperos são os fungos. O surgimento dos fungos, está ligado principalmente ao excesso de umidade no solo, devido a rega abundante. 



sexta-feira, 9 de junho de 2017

Ideias de Cultivo em Casa (1) - Como Montar Uma Mini-Horta Caseira


        O ato de plantar e colher um alimento dentro de casa, muda a relação que tecemos com a comida e com o meio ambiente. Essa relação de proximidade gera maior consciência sobre a produção de resíduos orgânicos e aumenta a utilização eficiente do uso da terra urbana. Uma horta pode ser construída em qualquer ambiente urbano, seja diretamente no solo, em canteiros suspensos, ou até mesmo em pequenos vasos onde não há disponibilidade de espaços extensos.
 
       A finalidade deste post é despertar a consciência ambiental através do resgata entre o contato com a terra e a produção de alimentos de forma simples, e em lugares onde não há tanto espaço disponível. para esta finalidade, o o cultivo de temperos é o passo ideal! As ervas podem ser facilmente cultivadas em vasos individuais, ou em conjunto com outros tipos.
      Os utensílios básicos necessários para montar uma mini horta são:


        Como montar:


  •      (1) O sistema de drenagem é fundamental para que a planta cresça, além de evitar que o solo fique encharcado e que as raízes apodreçam. Primeiro verifica-se se o vaso escolhido possui furos para que a água escoe. Após a verificação, deve-se cobrir o fundo do vaso com a argila expandida, e em seguida deve-se cobrir com um pedaço de filtro (areia). A argila depositada no fundo da jardineira impede que haja excesso de umidade na terra, além de prevenir que haja a obstrução dos furos. Já a areia evita que a terra se misture com a argila;
  •      (2) O substrato utilizado pode ser preparado a partir de uma mistura de três partes iguais de terra, composto orgânico (húmus) e areia. Deve-se preencher o vaso e fazer uma espécie de "cova" para abrigar o torrão das mudas utilizadas;
  •      (3) Delicadamente deve-se colocar na cova feita no solo até cobrir o torrão;
  •     (4) O último passo é cobrir a terra com o material de sua preferência (pedras, folhas secas, palha). A cobertura do solo pode limitar o crescimento de ervas daninhas e conservar a umidade do solo. 

terça-feira, 6 de junho de 2017

Sustentabilidade e Compostagem

Existem tipos diferentes de resíduos, cada um com necessidades e possibilidades distintas de tratamento, portanto ‘lixo’ é uma forma inadequada e antiga de se referir aos resíduos que produzimos, pois grande parte deles (secos e úmidos) podem ser reaproveitados.
Os resíduos secos como papel, plástico, metal e vidro, geralmente são reciclados ou reaproveitados através de processos específicos para obter uma “nova“ matéria prima ou são utilizados para a produção de artesanato, por exemplo. Já os resíduos úmidos, são os resíduos orgânicos produzidos em casa, feiras, e outros, que podem ser reciclados por meio da compostagem doméstica/caseira.
Na cidade de São Paulo, os resíduos orgânicos representam 51% dos resíduos domésticos, seguidos pelos resíduos recicláveis secos (32%) e, por fim, dos rejeitos (17%). Dessa forma, é possível observar a grande importância que a compostagem doméstica/caseira possui. A partir dela, pode-se ajudar de maneira sustentável a diminuição da quantidade de resíduos enviados aos lixões e aterros sanitários, evitando gradualmente os danos causados ao meio ambiente.

O que é compostagem e quais os modelos mais utilizados?
A compostagem é um processo biológico em que microrganismos degradam a matéria orgânica gerando um composto, adubo natural de aspecto semelhante ao solo. Os dois modelos caseiros mais utilizados são a compostagem em recipientes e a vermicompostagem.
A presença de oxigênio é fundamental para que não ocorra a formação de odores fortes causados pela fermentação e putrefação dos resíduos, saber o que colocar e/ou não e a quantidade também contribui para obter melhores resultados da compostagem.

O que colocar, evitar e não colocar na composteira doméstica:


* Não podem estar temperados com sal, pimenta, vinagre e etc.
Evitar: Guardanapos e Papel Toalha.
Não colocar: Fezes de animais domésticos, Papel higiênico.


O que é produzido e como utilizar?
O composto sólido pode ser utilizado tanto para adubar diretamente as plantas como para revitalizar vasos e melhorar terras enfraquecidas a serem usadas em novos plantios.  
Com o composto líquido as plantas absorvem os nutrientes com muita facilidade, mas ele deve ser diluído na proporção de 1 parte de composto líquido para 10 partes de água, e a adubação não pode ser diária. É recomendado um intervalo de pelo menos uma semana entre as aplicações.
  
Quer saber mais sobre o assunto e aprender como fazer a sua própria composteira? Acesse os links abaixo:
Como fazer uma compostagem caseira/doméstica
Curiosidades Lixos e Compostagem
Importância da matéria seca na compostagem

Referências Bibliográficas:
Manual de Compostagem Doméstica com Minhocas
Manual para gestão de resíduos orgânicos nas escolas

Manual Básico de Compostagem - USP Recicla

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Dia Mundial do Meio Ambiente

     Dia 5 de junho é dia de celebrar o que nos mantém vivos: a Natureza. Com o intuito de chamar a atenção para os problemas ambientais e para a importância da preservação dos recursos naturais, a Organização das Nações Unidas criou o Dia Mundial do Meio ambiente. 

   Procurando promover práticas que envolvam a temática desta data surge a Semana do Meio Ambiente. Durante estes cinco dias são promovidas atividades como palestras em escolas, workshops abertos ao público sobre diversos temas referentes ao meio ambiente, como reciclagem doméstica, coleta de lixo nas praias e parques, plantação de mudas de árvores em campos e parques públicos, bem como promover a conscientização da população para o consumo sustentável. 

      A programação desta semana fica a cargo de cada cidade/estado. Em São Paulo, o Dia Mundial do Meio Ambiente será lembrado com programação especial entre os dias 27 de maio e 7 de junho, a programação das atividades pode ser encontrada no site da Secretaria do Meio Ambiente, clicando AQUI

     De forma a participar deste movimento promotor do meio ambiente, nós da Horta Comunitária FSP-USP abordaremos ao longo da semana, dicas simples e informações básicas sobre a temática, fiquem de olho e acompanhem as postagens!!

quinta-feira, 1 de junho de 2017

6ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental

Entre os dias 1 e 14 de junho acontece em São Paulo a 6ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental. O projeto permite a discussão de temas socioambientais explorando o universo audiovisual. A programção completa, os locais das atividades e outras informações podem ser encontrados aqui



quinta-feira, 18 de maio de 2017

Dia de combate à Hipertensão



As Doenças Cardiovasculares (DCV) são a maior causa de mortes no mundo, atualmente. Dentre elas, está a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), considerada um problema de saúde pública. A HAS constitui uma importante  condição de risco para complicações cardíacas e cerebrovasculares. Há diversos fatores que podem interferir na culminação da doença: fatores hereditários (casos de doentes na família), envelhecimento, excesso de peso, alimentação com baixo consumo de frutas, legumes e verduras, consumo excessivo de alimentos com elevado teor de sal, consumo excessivo de bebidas alcoólicas, tabagismo, estresse. 

Um indivíduo diagnosticado com hipertensão, tem a sua pressão arterial maior ou igual a 140/90. A doença não possui sintomas específicos, por isso, muitas vezes passam despercebidos por serem "comuns", como por exemplo, as dores de cabeça, a tontura e o cansaço. Dessa forma, é necessário que se faça um acompanhamento rotineiro da pressão, verificando se há (ou não) a ocorrência de grandes alterações, tanto para uma prevenção, quanto para um acompanhamento e tratamento da doença, envolvendo medidas farmacológicas e não farmacológicas.

Algumas medidas de prevenção que não utilizam medicamentos são: manter uma alimentação balanceada, contendo frutas, legumes e verduras. Evitar excessos de tabagismo e consumo de bebidas alcoólicas; manter a hidratação do corpo, ingerindo água regularmente; praticar exercícios físicos regularmente (não só pelo efeito benéfico sobre a pressão arterial, mas também pela redução de outros fatores de risco cardiovasculares); diminuir o consumo excessivo de sal.

Misture ervas e temperos e deixe o sal de lado

Uso de ervas no luga do sal 

O uso de sal de ervas é bastante indicado para os hipertensos, pois são capazes de substituir o consumo de temperos industrializados que comumente possuem elevado teor de sódio. Além disso, o cultivo de temperos não requer um grande espaço, e por serem frescos, darão mais sabor à comida. Abaixo seguem alguns temperos e sugestões de utilização:
  • Alecrim: Carne vermelha, carne de frango, carne suína, e em legumes assados;Louro: Pode ser utilizado em grande variedade de preparações: caldos, legumes, assados, refogados de carnes, molhos de tomate...Pode ser cozido por longos período de tempo sem perder suas propriedades, ao contrário de boa parte das outras ervas;
  • Coentro: Peixes, frutos do mar e saladas;
  • Hortelã e menta: A hortelã pode ser utilizada em carne de cordeiro e para enfeitar sobremesas e bebidas de verão;
  • Manjerona e Orégano: Carnes, molhos de tomate e queijos;
  • Tomilho: Carnes em geral;
  • Sálvia: Carne suína e massas;
  • Manjericão: Molhos de tomate e legumes como abobrinha, berinjela, abóbora e batata;Cebolinha: O talo pode ser utilizado para a decoração dos pratos, trazendo frescor para omeletes, batata e arroz;Pimenta do Reino: A pimenta do reino verde é ótima para molhos de filés, a branca para carne de aves, e a pimenta do reino preta é a mais diversa, podendo ser utilizada em grande parte de pratos salgados, principalmente carnes vermelhas;
  • Noz-Moscada: Molho branco e em molhos de queijo;
  • Cominho: Combina com o feijão, sopas e carnes.



Saiba mais: 


quarta-feira, 3 de maio de 2017

Agroecologia e o manejo do solo

Na atualidade há três formas principais de se manejar o solo agrícola: o manejo químico (ou convencional), o orgânico por substituição de insumos e o agroecológico. No manejo agroecológico, deve-se trabalhar ecologicamente, ou seja, manejar os recursos naturais de forma a respeitar o sistema natural de cada local, envolvendo o solo, o clima, os seres vivos, bem como as inter-relações existentes entre eles. Dessa forma, os manejos agrícolas são realizados segundo as características locais do ambiente, necessitando, portanto, de conhecimentos adquiridos através das vicências e observações de cada agricultor. O manejo agroecológico dos solos se baseia em cinco pontos fundamentais: 

- Solos vivos e bem estruturados:
Um solo vivo pressupõe a presença de variadas formas de organismos interagindo entre si, e interagindo com os componentes minerais e orgânicos do solo. Essa dinâmica biológica exerce uma função essencial na agregação do solo, de modo a torna-lo grumoso e permeável para o ar e para a água. 

- Biodiversidade:
 A manutenção de grande diversidade de plantas em uma mesma área é uma estratégia da natureza para construir maiores níveis de estabilidade na produção biológica, um exemplo de mecanismo natural se dá a partir da secreção de substâncias tóxicas por determinadas espécies, evitando o nascimento de sua própria semente em alguns metros de distância. Além disso, há a necessidade de fornecimento de matéria orgânica diversificada, fomentando o desenvolvimento de variadas formas de vida, aumentando o leque de nutrientes mobilizados. 

- Proteção do solo contra o aquecimento excessivo, o impacto da chuva e o vento permanente:
Para a proteção do solo contra o aquecimento e o impacto da chuva, os solos devem ser cobertos, ou por palha ou por uma vegetação densa. Com a manutenção dessa cobertura, a água se infiltra com mais facilidade no solo, e além disso, favorece que não haja a evaporação da água, e a mesma pode se conservar ao alcance das raízes mesmo após longos períodos sem chuva.

-Bom desenvolvimento da raiz: 
Promove a manutenção do solo bem estruturado e permite que o sistema radicular das plantas cultivadas tenha um bom desenvolvimento e explore grande volume de solo. 

-Autoconfiança do agricultor:
Instituiu-se nos agricultores a crença de que é necessário assistência técnica para manejar o solo, e como não são capacitados para realizar análises e interpretar por si só os resultados, foram condicionados a receber orientações. Já na agroecologia, em vez de receber receitas técnicas prontas, o agricultor passa a observar, pensar e experimentar, e a partir disso, ganha autoconfiança. 


O dia do solo é comemorado no dia 03 de maio

terça-feira, 2 de maio de 2017

2ª Feira Nacional da Reforma Agrária

A partir dessa quinta-feira, 04/05 até o dia 07/05, acontecerá uma feira realizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, a 2ª Feira Nacional da Reforma Agrária, localizada no Parque da Água Branca. Onde agricultores de acampamentos e assentamentos de todo o país estarão presentes para vender os alimentos produzidos por eles. 

Além da feira, quem for encontrará uma vasta programação com shows, intervenções culturais, seminários, e uma Praça de Alimentação com comidas típicas de cada região. 
Não deixem de conferir, maiores informações sobre a programação, o evento, o local e os assuntos abordados estão disponíveis aqui: 2ª Feira Nacional da Reforma Agrária 2017!!

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Receita com PANC (Planta Alimentícia Não Convencional)

A receita a seguir, retirada da publicação "Mais que Receitas" da Rede Ideias na Mesa*, possui como ingrediente o Ora-Pro-Nobis, que é considerado uma PANC de fácil cultivo e de elevado valor nutricional.

As folhas que serão utilizadas na receita podem ser colhidas na Horta Comunitária da FSP-USP!

Ora-pro-nobis no canteiro da Horta FSP-USP


Torta de Canjiquinha com Ora-pro-nobis

Nível de dificuldade: Fácil
Tempo de preparo: 40 minutos 
Rendimento: 4 porções



Saiba mais:
https://come-se.blogspot.com.br/2008/04/ora-pro-nbis.html
http://www.abhorticultura.com.br/biblioteca/arquivos/Download/Biblioteca/pmfi5000c.pdf

* Iniciativa do Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição do Departamen-
to de Nutrição da Universidade de Brasília (OPSAN/NUT/UnB) em parceria com a Coordenação Geral de Educação Alimentar e Nutricional da Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional -Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

24 de Abril – Dia Internacional do Milho

Milho Verde Cozido

Este dia tem por objetivo homenagear e incentivar o cultivo e consumo do milho, tido como um dos cereais mais nutritivos e de grande valor cultural, principalmente entre os povos das Américas. 
A nível Nacional, o Dia do Milho (celebrado em 24 de maio), foi instituído através da lei nº 13.101 de 2015, isso porque esse alimento é um dos símbolos da cultura brasileira, sendo utilizado em diversas receitas típicas da nossa culinária afro-brasileira. Além disso, a utilização do milho também se dá pela produção de peças artesanais, a partir de partes não comestíveis.
Vaso de flores produzidas com a palha do milho

Artesanato produzido a partir da palha do milho - Cursos CPT
Diferentes tipos de milhos
O milho foi um alimento base para a refeição de diversas civilizações ao longo dos anos, atualmente, além de ser consumido por nós ele é ser como base para a produção de ração animal devido seu alto valor nutricional. Existe uma grande variedade de milho natural no Brasil (Comum, Pipoca, Branco); no Peru os milhos possuem cores diferentes; e, além disso, é possível encontrar tipos de milhos transgênicos, que podem ser consumidos diretamente ou indiretamente em vários alimentos industrializados.

ATENÇÃO AOS ALIMENTOS TRANSGÊNICOS!
Os transgênicos são alimentos modificados geneticamente com a alteração do código genético, isto é, são inseridos no organismo genes provenientes de outro. Esse procedimento pode ser feito entre organismos de espécies diferentes como plantas, animais e microorganismos.
Os transgênicos podem trazer riscos à saúde como o aumento de alergias, resistência aos antibióticos, o aumento das substâncias tóxicas e maior quantidade de resíduos de agrotóxicos. Além disso, há riscos para o meio ambiente e para a agricultura. Maiores informações podem ser lidas do Instituto Brasileiro de Defesa do consumidor (Idec), no link: Mais informações sobre os transgênicos
Vale ressaltar que o Idec possui campanhas que incentivam a continuação da rotulagem de alimentos transgênicos, uma vez que estava em votação a retirada dessa informação dos rótulos dos alimentos. Campanha de Rotulagem dos Transgênicos

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Dia Mundial da Saúde

Segundo a definição da Organização Mundial de Saúde (OMS), o termo saúde significa “Um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente a ausência de afeções e enfermidades”, portanto, interpretamos a saúde em um sentido amplo que compreende o bem-estar físico e psicológico. No Dia Mundial da Saúde do ano de 2017, lembrado no dia 7 de Abril a OMS deu início a uma campanha sobre depressão, com o lema “Let’s Talk”, uma iniciativa que promove que falemos abertamente sobre o tema e que pessoas do mundo todo que possuem depressão, busquem e obtenham ajuda. Uma estratégia para lidar com a depressão é a incorporação de hortas no cotidiano de tratamento da doença.

Uma meta análise que coletou estudos que compararam a saúde de um grupo controle antes de participar de atividades manuais envolvendo hortas e de grupos em tratamento (após participar destas atividades), mostrou que a incorporação desta prática no cotidiano das pessoas foi capaz de melhorar a saúde física, psicológica e social, o que a longo prazo, pode prevenir diversos problemas de saúde enfrentados pela sociedade atual, bem como a depressão.

Uma ilustração da incorporação de hortas como estratégia benéfica no tratamento da depressão pode ser vista no vídeo intitulado “Saindo da caixinha” (Thinking out of the Box) (https://www.youtube.com/watch?v=brrrX8biFJE) produzido pelo grupo de pesquisa em Promoção da Saúde e Segurança Alimentar e Nutricional da Faculdade de Saúde pública da USP.


Saiba mais:


sábado, 18 de março de 2017

#ChegadeAgrotóxicos

Está no ar a plataforma #ChegadeAgrotóxicos, (que pode ser encontrada nesse link http://www.chegadeagrotoxicos.org.br/)!

A plataforma é uma iniciativa do Greenpeace, Idec (Instituto de Defesa do Consumidor) e diversas organizações da sociedade civil para a aprovação da Política Nacional  de Redução de Agrotóxicos - PNaRa, que já está na Câmara dos Deputados.

Acesse o link, assine a petição e compartilhe por uma comida de verdade e limpa no nosso prato.


segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS: LAGARTAS

Existem várias espécies de lagartas que podem aparecer em uma horta,  uma bem agressiva é a lagarta mandarová, quando elas aparecem na horta destroem completamente a folhagem das plantas, também tem outras como a lagarta-rosca que cortam o caule das mudinhas e as impedem de crescer.

 E também tem a lagarta da couve, que vira e meche causa dor de cabeça nos "hortelões "

 Plantar alternadamente espécies que não sejam hospedeiras das mesmas pragas, para quebrar ou        interromper o ciclo de desenvolvimento das mesmas é uma alternativa de controle.




segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Horta: Ponto de Colheita

Conhecer a sua horta do plantio à colheita é muito importante, pois possibilita facilidades e um melhor aproveitamento do espaço e das plantas.

Cada espécie  possui um tempo e um período de plantio e colheita, podendo variar pelas condições climáticas, época do ano  dentre outros fatores. 
Conheça a seguir cada parte utilizada e seu período propício.


PLANTA DA SEMANA: ESPINAFRE AFRICANO