sábado, 13 de dezembro de 2014

MUTIRÃO 06/12/2014 (FOTOS)

Se você não pode vim pro MUTIRÃO no sábado (06/12), calma... Terão outros.
Mas já te falo que foi muito legal, relaxante e produtivo, te esperamos no próximo!

Veja algumas fotos registradas durante o mutirão:












terça-feira, 9 de dezembro de 2014

ATIVIDADE ESPECIAL DO DIA DAS CRIANÇAS

Em comemoração ao dia das crianças, o CRNutri (Centro de Referências para Prevenção e Controle de Doenças Associadas à Nutrição) do Centro de Saúde Escola Geraldo de Paula Souza, o Projeto Horta: Educação e Sustentabilidade e a Creche Saúde da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, realizaram atividades no dia 10 de outubro com 18 crianças para que elas conhecessem a composteira, o minhocário e a horta comunitária da Faculdade, e experimentassem alguns alimentos cultivados, auxiliando a promoção da saúde e a valorização do meio ambiente.
As crianças foram separadas em dois grupos para fazerem um revezamento entre a composteira/minhocário e a horta, 15 minutos em cada. No primeiro local, foi explicado o processo de compostagem: o que é; como fazer; o que pode e o que não pode ser colocado na composteira; quais são os produtos da compostagem; e onde utilizá-los. Depois disso, elas conheceram o minhocário, aprenderam sobre o seu funcionamento e finalidade e acrescentaram cascas e sobras de alimentos da creche com a terra e as folhas e diluíram o chorume em garrafinhas individuais para ser utilizado em casa.
Na horta, as crianças observaram os locais onde há cultivos e foram estimuladas a identificar as ervas, temperos e alimentos disponíveis por meio de características como textura e cheiro. Em um segundo momento, elas colheram ervas para a preparação de água saborizada e temperos e flores comestíveis para serem utilizados no almoço servido pela creche. Além disso, cada grupo plantou uma muda de ervas e regou o canteiro com água e pulverizou com chorume diluído.
Para encerrar a atividade, as crianças foram reunidas no pátio da creche, onde foi explicado como higienizar os alimentos adequadamente. As hortelãs, previamente higienizadas, foram maceradas pelas crianças e colocadas em jarras de água para que as mesmas experimentassem a água saborizada posteriormente. Já os temperos colhidos para serem utilizados nas preparações do almoço foram higienizados por elas. Por último, foram distribuídas as garrafinhas com o chorume já diluído, reforçando a sua utilização.
Foi a primeira atividade do CRNutri em parceria com o Projeto Horta: Educação e Sustentabilidade, planeja-se, para o ano de 2015, ampliar a utilização da composteira, minhocário e horta, envolvendo diversos atores sociais da comunidade, permeando as dimensões social, cultural e ambiental da universidade.

Atividade desenvolvida e texto elaborado por:
Letícia W. Ribeiro (Nutricionista e aprimoranda em nutrição e saúde pública pela USP)
Samantha Caesar de Andrade (Nutricionista do CRNutri – FSP/USP)







 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

MUTIRÃO SÁBADO!


Você Sabia?



Hortas comunitárias melhoram qualidade da alimentação nos centros urbanos

Imagem 


   Eliminar terrenos baldios em áreas urbanas – que muitas vezes são utilizados como depósitos de entulho e se transformam em focos de doenças como a dengue –, produzir hortaliças para o consumo de escolas e famílias de baixa renda, melhorar a qualidade da alimentação destas pessoas com redução de gastos e ocupar cidadãos desempregados que moram nos centros urbanos. Estas são as vantagens da implantação de hortas comunitárias na cidade. 

  Uma horta cuidada por uma única família é chamada horta doméstica. A diferença da horta comunitária é que esta é mantida por um grupo de pessoas da mesma comunidade. Este modelo de cultivo de verduras e legumes, também conhecido como horta coletiva, tem ajudado no combate à fome e na ocupação das pessoas, por meio do exercício da cidadania. 

   Em geral, as hortas comunitárias são instaladas em lotes vagos e sua produção abastece famílias que moram perto destes terrenos. São cultivados alface, tomate, rúcula, couve, espinafre, repolho, alho, rabanete, beterraba e cenoura, entre outras verduras e legumes. Na maioria dos casos, a produção é feita a partir dos princípios de agricultura orgânica, ou seja, sem os inseticidas e fungicidas tradicionais, o que garante mais qualidade ao que é produzido. 

   Conhecimentos populares sobre ervas medicinais também fazem a diferença na hora de a comunidade escolher o que vai plantar. Em algumas hortas são incluídos itens como a sálvia, por exemplo, que é uma planta usada para baixar a febre, ou o boldo, utilizado no combate a problemas no fígado. 
    

Adaptado de: http://www1.folha.uol.com.br/folha/dimenstein/comunidade/gd191004.htm